Histórias Cruzadas retrata racismo no cotidiano do sul dos EUA

Imagem

Destaque entre as estreias desta sexta-feira (3), Histórias Cruzadas (The Help) é o segundo longa de Tate Taylor. O filme é baseado na obra literária de Kathryn Stockett e já ganhou quatro indicações ao Oscar, de Melhor Filme, Melhor Atriz para Viola Davis e Melhor Atriz Coadjuvante para Octavia Spencer. O elenco feminino de peso, incluindo várias gerações, também conta com Emma Stone, Bryce Dallas Howard, Allison Janney e Sissy Spacek.

Ambientada no Mississipi dos anos 1960, a trama mostra três diferentes mulheres que constroem improvável amizade devido a projeto literário secreto que abala as regras da sociedade. Skeeter (Emma Stone) acabou de terminar a faculdade e sonha ser escritora e jornalista. A jovem põe a cidade de cabeça para baixo quando decide pesquisar e entrevistar mulheres negras que sempre cuidaram das ‘famílias do sul’.

Apesar de infringir regras e padrões da sociedade vigente, Skeeter consegue o apoio de Aibileen (Viola Davis), governanta de um amigo, que conquista a confiança de outras mulheres que têm muito para contar. São mulheres negras totalmente segregadas da sociedade, que precisam se submeter a regras trabalhistas que não se distanciam da escravidão. Ao publicar tais histórias ela poderá garantir um emprego em Nova York, mesmo que isso signifique fazer com que todas as pessoas da cidade encarem os ‘novos tempos’.

O drama pretende retratar questões, como opressão e racismo de forma intimista, impulsionada pela coragem daquelas mulheres que são duplamente a minoria discriminada no Sul dos EUA. Da aliança entre as mulheres surge a irmandade, a coragem e a conscientização de que às vezes os limites existem para serem ultrapassados.

Tomates Verdes e Fritos

Símbolo maior disso é a primeira empregada com a qual Skeeter conversa, Aibeleen, que arca com todo o trabalho de limpeza da casa e ainda assim não pode utilizar os mesmo talheres, pratos e banheiro que a família. Teve um filho que morreu jovem e agora cria a prole da patroa. Símbolo da dona de casa submissa ao marido é Hilly Holbrook (Bryce Dallas Howard). Ela desconta suas frustrações na empregada negra, cidadã de segunda classe até na legislação.

Pelos elementos racismo, autonomia feminina e Sul dos Estados Unidos, o filme segue a linha de Tomates Verdes e Fritos e A Cor Púrpura, até pela força e intensidade das personagens femininas.

Fonte: Repórter Diário

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s